Carlos Alcaraz tem aspirações loucas de alcançar os recordes de Novak Djokovic "nem positivas nem negativas", diz Juan Carlos Ferrero: "Ele sabe que é muito complicado"

Juan Carlos Ferrero, treinador de Carlos Alcaraz, partilhou a sua opinião sobre se o objetivo do seu pupilo de ultrapassar os recordes de Novak Djokovic é uma aspiração positiva ou negativa. O antigo número 1 do mundo reconheceu que pensar em ultrapassar Djokovic é um objetivo a "longo prazo" e que será um desafio para o jovem espanhol.

Há dias, durante a sua participação no Open da Argentina, Alcaraz reiterou as suas ambições de eventualmente ultrapassar 'Nole': "Obviamente, não paro de pensar nos 24 Grand Slams de Nole, isso é claro, mas neste momento Djokovic e [Jannik] Sinner são os jogadores a derrotar: estão a um nível muito elevado que poucos os podem vencer", disse ao Ole.

"Mas como sou um tipo muito ambicioso e quero sempre pensar em grande, e sonho em grande, obviamente que os 24 do Djokovic são um objetivo no final da minha carreira. Agora vamos esperar para ver onde chego, porque se calhar chego aos cinco, se calhar fico nos dois.

"No entanto, é inevitável pensar nisso. Sou muito competitivo e é também isso que me leva ao mais alto nível para tentar estar ao mesmo nível dos três grandes. A verdade é que sonho em grande", disse Alcaraz.

Resposta da Ferrero à ambiciosa proposta de Alcaraz

O treinador de Alcaraz respondeu a uma entrevista concedida à Clay Tennis, na qual comentava as palavras de Alcaraz sobre os registos: "Não é positivo nem negativo, são objectivos que ele tem a muito longo prazo. Sabemos a dificuldade que uma coisa destas exige. É do carácter que ele tem de pensar em grande", disse o espanhol.

"Que ele consegue? Ele sabe que é muito complicado, que tem de fazer as coisas super, super bem para atingir os objectivos. É algo que ele tem, o que ele pensa e o que o faz pensar que pode conseguir algo assim, isso move-o mentalmente. Bem-vindo a isso".

Além disso, perguntaram ao antigo campeão do Open de França se acredita que Alcaraz pode atingir os seus objectivos até 2039: "(Risos) São respostas que não posso dar, vivo o dia a dia, a melhoria do dia a dia. A melhoria do dia a dia, que eu gostaria de ter? Sim, que o vai conseguir? É uma coisa muito complicada. Quem é que pode dizer com certeza", prosseguiu Ferrero.

"Penso que, com os jogadores que existem e vão existir, a competitividade entre eles será muito próxima. Não sei, não sei mesmo".

Campanha GoldenSwing de Alcaraz

A jovem estrela de 20 anos optou por jogar em terra batida na América do Sul antes do Sunshine Double pelo segundo ano consecutivo. No entanto, a sorte não esteve do lado de Alcaraz desta vez, pois ele caiu nas semifinais do Open da Argentina contra Nicolas Jarry. Mais tarde, no Rio Open, ele saiu do torneio depois de apenas dois jogos, retirando-se devido a uma lesão na partida de abertura contra Thiago Monteiro.

Perguntaram a Ferrero se o Alcaraz voltará a jogar na América do Sul no próximo ano: "Não posso responder, isso é algo que veremos mais tarde. Mas é verdade que, em algum momento, eu gostaria que ele fosse para o circuito de quadra rápida; ele pode fazer isso muito bem", disse ele.

"E não se muda de superfície depois da Austrália e depois muda-se outra vez e depois volta-se ao barro. A dada altura, vamos mudar", concluiu Ferrero.

Place comments

666

0 Comments

More comments

You are currently seeing only the comments you are notified about, if you want to see all comments from this post, click the button below.

Show all comments