Maria Sharapova

Maria Sharapova é uma das tenistas mais famosas e bem sucedidas da história do desporto. Ganhou cinco títulos do Grand Slam, uma medalha de prata olímpica e 36 títulos de singulares da WTA. Também foi classificada como número 1 do mundo em singulares pela Associação de Ténis Feminino (WTA) durante 21 semanas. É uma das dez mulheres, e a única russa, a alcançar o Grand Slam de carreira. É também uma medalhista olímpica, tendo ganho a prata em singulares femininos nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012.

Nome: Maria Yuryevna Sharapova

Nasceu em: 19 de abril de 1987

Tornou-se profissional: 2001

Altura: 1,88m

Sharapova nasceu a 19 de abril de 1987, em Nyagan, na Rússia. Começou a jogar ténis aos quatro anos e mudou-se para a Flórida com o pai aos nove anos para perseguir o seu sonho de se tornar uma tenista profissional. Chamou a atenção da lenda do ténis Martina Navratilova, que lhe sugeriu que se inscrevesse numa academia de ténis. Tornou-se profissional aos 14 anos e rapidamente ganhou fama com os seus golpes poderosos e estilo de jogo agressivo.

Sharapova despertou para o estrelado em 2004, quando surpreendeu Serena Williams na final de Wimbledon e ganhou o seu primeiro título do Grand Slam aos 17 anos. Tornou-se uma sensação da noite para o dia e um ícone mundial do ténis. Seguiu-se-lhe outro título do Grand Slam no US Open em 2006 e alcançou o primeiro lugar no ranking mundial em 2005. Também ganhou o WTA Tour Championships em 2004 e tornou-se uma das atletas femininas mais bem pagas do mundo.

Highlights of the high quality US OPEN 2006 Final between Maria Sharapova and Justine Henin

Sharapova continuou a dominar o mundo do ténis com os seus desempenhos consistentes e determinação feroz. Ganhou o seu terceiro título do Grand Slam no Open da Austrália em 2008 e completou o Grand Slam da sua carreira ao vencer Roland Garros em 2012 e 2014. Também chegou à final dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012, onde perdeu para Serena Williams, mas conquistou a medalha de prata para o seu país.

No entanto, a carreira de Sharapova sofreu uma reviravolta dramática em 2016, quando falhou um teste de despistagem de drogas no Open da Austrália. O teste deu positivo para meldonium, uma substância proibida pela Agência Mundial Antidopagem (AMA) desde 1 de janeiro de 2016. Sharapova alegou que tomava meldonium há uma década por motivos de saúde e que não tinha conhecimento da sua proibição. Foi inicialmente suspensa por dois anos pela Federação Internacional de Ténis (ITF), mas mais tarde recorreu para o Tribunal Arbitral do Desporto (CAS), que reduziu a sua proibição para 15 meses.

Sharapova regressou ao ténis em abril de 2017, mas teve dificuldade em recuperar a forma e a classificação. Foi alvo de críticas por parte de alguns jogadores e adeptos, que questionaram a sua integridade e elegibilidade para jogar. Também sofreu com lesões e falta de confiança, o que afectou os seus resultados e desempenho. Ganhou o seu último título WTA em Tianjin, em outubro de 2017, e chegou aos quartos de final do último Grand Slam no Open de França em 2018.

Sharapova anunciou a sua retirada do ténis em fevereiro de 2020, aos 32 anos. Escreveu uma carta de despedida ao desporto que amava e agradeceu aos seus fãs, treinadores, família e amigos pelo apoio que lhe deram ao longo da sua carreira. Disse que estava pronta para iniciar um novo capítulo na sua vida e explorar novas oportunidades e desafios.

O legado de Sharapova como jogadora de ténis é inegável. É uma das atletas femininas mais bem sucedidas e influentes de todos os tempos. Inspirou milhões de pessoas em todo o mundo com a sua paixão, talento e coragem. Além disso, construiu um império empresarial de sucesso fora dos courts, com a sua própria marca de doces Sugarpova, e patrocínios de várias marcas, como a Nike, Canon, Evian e Tag Heuer.

A carreira de Sharapova também teve a sua quota-parte de controvérsias e contratempos. O seu escândalo de doping manchou a sua reputação e credibilidade como jogadora limpa e justa. A sua rivalidade com Serena Williams foi unilateral e amarga, tendo perdido 20 dos 22 jogos que disputaram. As lesões e o declínio impediram-na de alcançar mais glória e grandeza no campo.

A história de Sharapova é um conto de triunfo e tragédia, de altos e baixos, de sonhos e pesadelos. É uma história que cativou e dividiu o mundo do ténis durante quase duas décadas. É uma história que será recordada e debatida nos próximos anos.

Maria Sharapova News

Read all the latest news about Maria Sharapova